top of page
  • Foto do escritorSofia Medeiros

Usucapião familiar por abandono de lar - saiba como ficar com a propriedade do imóvel


Essa pode ser uma boa ou uma má notícia para você, mas o fato é que passados dois anos que um dos cônjuges abandonou o lar existe a forte possibilidade do cônjuge abandonado usucapir o imóvel. Acompanha esse artigo que te conto em detalhes todos os requisitos para que seja configurada a usucapião familiar.


A usucapião, em resumo, é uma forma de quem vive no imóvel por um determinado tempo, se tornar proprietário, desde que não tenha oposição do dono que consta no registro do imóvel. Ou seja, existe a posse, mas no cartório de registro de imóveis não consta seu nome na matrícula.


No caso de usucapião familiar por abandono do lar é um pouco diferente. Primeiramente, é preciso comprovar que a pessoa que permaneceu na casa assumiu integralmente as responsabilidades sobre o imóvel, agindo como único dono tanto para conservação quanto em obrigações financeiras.


Para a configuração desse tipo de usucapião é irrelevante discutir a existência de dolo ou culpa no abandono do lar, de maneira que, em regra, não importa a motivação que levou um dos cônjuges a abandonar o lar, desde que a atitude tenha sido voluntária.


Então não se trata de punição “psicológica” para aquele que saiu do lar, mas a finalidade é de proteger a família que, abandonada, sem qualquer amparo, tem que arcar com os custos de manutenção do imóvel e atende a função social da propriedade.


Assim, o cônjuge abandonado poderá ter o direito de adquirir a parte propriedade que tinha direito o seu companheiro/cônjuge, se no prazo mínimo de 02 (anos) esse cônjuge nunca procurou reivindicar por seus direitos do imóvel.


Checklist para Usucapião Familiar:

  • o imóvel tem que estar localizado na zona urbana;

  • a área máxima deve ser de 250 m²;

  • o imóvel tem que ser dos dois cônjuges/companheiros;

  • se você ficou no imóvel tem que ter a posse por, no mínimo, dois anos, antes do pedido de usucapião;

  • a pessoa que requerer a usucapião familiar não pode ser proprietária de outro imóvel urbano ou rural;

  • o imóvel deve ser utilizado apenas com a finalidade da sua própria moradia e da família;

  • o abandono do lar e da família tem que ser completo, sem qualquer assistência com manutenção do bem pelo cônjuge que abandonou o imóvel.

Perguntas frequentes sobre usucapião familiar:


1) A usucapião familiar urbana pode acontecer em qualquer tipo de regime de bens?


Sim! O regime de bens é indiferente caso sejam preenchidos todos os requisitos para esse tipo de usucapião, seja no caso de união estável ou casamento.


2) Quanto tempo configura o abandono de lar para a usucapião familiar?


2 anos (dois anos) é o prazo necessário de posse direta ininterrupta do imóvel para requerer essa modalidade de usucapião.


3) Se o cônjuge abandonar o lar e eu alugar o imóvel para outra pessoa, ainda assim posso pedir a usucapião para ter a propriedade exclusiva?


Não, um dos requisitos é a posse direta do bem, então o cônjuge só preencherá o requisito se ele mesmo permanecer no imóvel para moradia.


4) Se o cônjuge é impedido de adentrar ao imóvel por ordem judicial, por exemplo nos casos de aplicação da Lei Maria da Penha, conta o prazo para usucapião familiar?


Não! O ato de abandonar o lar precisa ser voluntário, se existe uma determinação judicial que o impede não estará demonstrado o requisito da voluntariedade do abandono.


5) Meu marido saiu de casa, mas paga a pensão alimentícia, IPTU e algumas despesas, é possível pedir usucapião?


Não! Nesse tipo de usucapião o abandono do lar não deve ser entendido como apenas a saída do imóvel, mas o abandono material da família, a ausência completa de assistência financeira com os familiares e o próprio bem imóvel.


6) Quem pagou o imóvel foi o cônjuge que abandonou o lar, posso pedir usucapião mesmo assim?


Sim! A única coisa a ser observada nessa situação é se no momento do abandono o imóvel pertencia ao casal, sem relevância sobre quem pagou.


Se a sua dúvida sobre o assunto não está entre essas listadas acima, deixa aqui nos comentários!


Não esquece de deixar tua curtida se gostou do conteúdo!



Por Sofia Medeiros, advogada especialista em direito imobiliário.

24 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page